Bom dia, hoje é dia 22/09 e são
Em Taió, +
Fiscalizações são intensificadas na Represa Perimbó em Petrolândia

Fotos: Wigand Staroscky


Publicado em: 11/12/2018 13:42:27 - Por Tatiana Carolina
PUBLICIDADE

A abertura da Piracema traz o alerta sobre as orientações do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais (IBAMA) para os rios que compõe a Bacia do Rio Uruguai, entre Santa Catarina e Rio Grande do Sul.


O objetivo é evitar a pesca predatória. Por isso, a Represa Perimbó, em Petrolândia, está contando com uma fiscalização maior neste período. 
Um dos principais redutos de alevinos na região do Alto Vale do Itajaí, a Represa abriga dezenas de espécies, cuja fase atual de reprodução é protegida pela fiscalização redobrada das Polícias Militar e Ambiental.


As rondas têm sido intensificadas no local para garantir que os peixes se reproduzam, pelo menos uma vez, antes de serem capturados.
“Esse cuidado é fundamental para respeitar a época de defeso de reprodução e a renovação dos estoques. Assim, podemos manter o equilíbrio ambiental, além de preservar a continuidade da pesca, uma das principais atividades de lazer da Represa”, destaca o 3º Sargento da Polícia Militar de Petrolândia, Wigand Staroscky.


O que é permitido?


A Piracema vai até o dia 31 de janeiro. Neste período, é permitida apenas a pesca de lazer com linha de mão, vara e anzol (um por pescador), embarcação não motorizada e a pesca científica com autorização dos órgãos competentes. O limite de captura é de no máximo 5kg de peixes por pessoa, mais um exemplar.


O que é proibido?


Não é permito neste período o uso de molinete, carretilha, rede ou tarrafas, espinhéis e afins, além de competições de pesca. É proibido também transportar, conservar ou comercializar espécimes provenientes de coleta, apanha e pesca sem autorização de órgão competente ou atestado de procedência.


Conscientização e Legislação


A pesca predatória constitui crime, infração administrativa e inclui de um a três anos de detenção, além de multa. Também há infração ambiental que prevê a aplicação de sanção de multa no valor de R$700,00 até R$ 100 mil, mais acréscimo de R$20,00 por kg ou fração do produto pescado.


“É fundamental a conscientização de que a pesca na Represa Perimbó não deve ultrapassar a capacidade de reposição dos estoques das populações naturais. Os visitantes devem se adequar aos limites da natureza e ao que preconiza a legislação ambiental”, conclui o Sargento Staroscky.


Por Luciana Flores

Compartilhe o link:
Radar Alto Vale © Copyright 2013 - 2015 - Radar Alto Vale não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos citados.
A opinião dos colaboradores e dos leitores não necessariamente representa a opinião do Radar Alto Vale.WLive! Soluções Web